Resenha: “Soluções para noites sem choro” de Elizabeth Pantley

Olá! Aqui é a Carol. Para o meu primeiro post e estréia da seção de Maternagem d’O Nosso Blog, escolhi falar de um tema que atinge praticamente toda mãe e pai de bebês pequenos: o sono (ou a falta dele!). Com o nascimento de um bebê, este é um dos aspectos da vida dos novos pais que sofre as mudanças mais drásticas. E todo mundo sabe disso, graças aos “conselhos” que ouvimos assim que a barriga começa a crescer: “Descanse bastante que depois, óh, nunca mais vai dormir” (Como se pudéssemos criar uma reserva de sono para depois… ha-ha-ha). Mas é humanamente impossível se preparar para essa mudança ainda na gravidez e, quando o bebê chega, é hora de se adaptar.

Diversos especialistas, entre eles pediatras e psicólogos, afirmam que o sono é uma das questão mais recorrentes por pais que buscam ajuda na criação dos filhos. E não é de menos, afinal, a falta de sono afeta toda a família. Fisica e mentalmente cansados, os pais – mas principalmente as mães – tendem a ter menos paciência ao longo do dia, sofrem com lapsos de memória e atenção, têm dificuldade em tomar decisões… Bebês que não dormem o suficiente também podem apresentar mais irritação, choro excessivo ao longo do dia, além do chamado efeito vulcânico.

solucoes-para-noites-sem-choro-2Com o meu primeiro filho, há 4 anos atrás, passei por todas estas angústias. Mesmo sendo um bebê muito tranquilo e que não teve cólicas ou maiores problemas de adaptação, a falta de sono me pegou e eu passei a viver esperando pelo dia que dormiria novamente. Foram meses e meses de muito cansaço e uma verdadeira tortura a cada vez que ele acordava. Foi nessa situação que eu tive contato com o livro de Elizabeth Pantley, “Soluções para noites sem choro” (M. Books, 2003). Para mim, este foi um grande manual de maternagem, onde encontrei uma interlocutora com a qual me identificava e que realmente me ajudou, não só na própria busca por uma noite de sono, mas também a descer para Terra, ter expectativas positivas e reais e me conectar com o meu bebê corujinha, antes de qualquer coisa.

Elizabeth Pantley teve como motivação para escrever este livro a sua própria experiência como mãe de 4 filhos. Segundo ela, tanto a filha mais velha quanto o caçula lhe deram muito trabalho para dormir e, como orientadora de mães e pais, ela sempre buscou muito material sobre esta questão. Porém, lhe incomodava o fato de só existirem duas opções aparentemente disponíveis: deixar o bebê chorar até que “aprenda” a dormir sozinho ou conformar-se com o fato de que você não dormirá por meses ou anos. Nenhuma dessas alternativas era-lhe satisfatória, então ela estudou e compilou, neste livro, diversas estratégias (um verdadeiro “cardápio de dicas”, segundo Dr. Sears no prefácio do livro) que podem ser utilizadas para que pais e filhos possam dormir melhor com o passar do tempo, sem precisar deixar ninguém chorando.

Inicialmente, Elizabeth apresenta dois capítulos básicos, que tem como função educar os pais sobre o sono: 1. a segurança do bebê durante o sono (tanto para famílias que optam pelo berço quanto para aquelas que optam pela cama compartilhada); e 2. fatos básicos sobre o sono do bebê. Este segundo capítulo trás a expectativa dos pais com relação ao sono do bebê para a realidade. Por exemplo, uma noite “inteira” de sono de um bebê é de cerca de 5 horas. Com raríssimas exceções, bebês pequenos não têm capacidade biológica ou neurológica de dormir mais de 5 ou 6 horas sem despertar. Outro texto muito interessante sobre isso é este aqui.

solucoes-para-noites-sem-choro-3Em seguida, Elizabeth propõe e oferece um material para registro das noites da família, antes de ler e partir para a aplicação de qualquer uma das estratégias. Fazendo esse registro, temos a oportunidade de ter uma visão da dinâmica da rotina familiar em relação ao sono, o que fazemos quando o bebê acorda, quanto tempo ele fica acordado, e muito mais. Assim, além de ter uma base para as decisões posteriores, podemos nos conectar com nosso bebê, prestando atenção ao NOSSO bebê e à NOSSA rotina. Deixamos de fazer as coisas no automático e começamos a tomar consciência do processo. Eu acredito que só esta etapa já pode ajudar muito – e até começar a mudança em si.

Então, Elizabeth apresenta uma série de dicas que podem ser apreciadas pelos pais. A partir da análise dos registros, os pais podem decidir quais estratégias fazem sentido para eles, quais podem resolver seus problemas e que podem ser encaixadas na rotina, buscando um sono cada vez melhor. Ela apresenta as estratégias em duas partes: para recém-nascidos e para bebês acima de 4 meses. As estratégias para os RNs levam em conta a proposta da Teoria da Exterogestação, abordagem que considera que os bebês humanos nascem essencialmente prematuros e necessitam, de forma vital, de atenção e contato físico. Além disso, é interessante que ela apresenta muitas estratégias, que se aplicam a mães que amamentam, mães que dão mamadeira, mães que dormem com seus filhos, mães que preferem que os filhos durmam em seus berços… Assim, ela reconhece e respeita todas essas opções, sem impor uma forma ou outra de maternar.

Depois de apresentar o “cardápio de estratégias”, ela disponibiliza mais uma série de materiais para o registro escrito de um plano de ação, que leva em conta 10 dias, em que serão aplicadas as estratégias escolhidas pelos pais. Ao final destes 10 dias, o plano é, então, avaliado e reelaborado, num novo intervalo de 10 dias, até que a família esteja satisfeita com o novo padrão de sono.

Por fim, ela discute várias situações em que o sono do bebê ou criança podem ser bagunçados, mesmo com as rotinas de sono estabelecidas e etc. As razões podem ser clínicas (doenças, dentição, gases e cólicas, refluxo, etc.) ou desenvolvimentais (saltos de desenvolvimento, picos de crescimento, ansiedade de separação). Além disso, ela oferece dicas também para o sono da mãe (“O bebê está dormindo (finalmente), mas a mamãe não”).

Se você também sonha com o dia que você vai deitar a cabeça no travesseiro e acordar só quando estiver bem descansada e animada com o novo dia, o “Soluções” é uma ótima leitura (e proposta de ação!). Além do livro em si e, a partir da crença de Pantley na importância do apoio em grupo, surgiram grupos online para discussão e compartilhamento de outros materiais relacionados a sono e com base nesta proposta gentil e respeitosa, em oposição aos métodos de “treinamento do sono”. O grupo brasileiro é este aqui. Apesar de estar um pouco parado, os materiais ali disponíveis são muuuuito bons e explorar este grupo é um ótimo começo.

Mas lembre-se: a infância passa rápido demais e, logo logo, teremos dificuldade em lembrar desses perrengues que passamos com os pequenos (assim como nossas mães e sogras que dizem que seus filhos sempre dormiram bem, comeram bem, nunca fizeram birra… hehehe). Mesmo assim, eu acredito que as escolhas que fazemos hoje, para eles e por eles, podem fazer muita diferença no adulto que se tornarão. Podemos seguir caminhos em que ensinamos, além de dormir, comer, etc., a paciência, a empatia, o respeito, a autonomia… Ou não.

Espero que as dicas e propostas que pretendemos trazer neste espaço lhes sejam úteis nas escolhas que permeiam nosso dia-a-dia. Nossa proposta é, assim como a de Pantley, dialogar e oferecer estratégias para embasar uma escolha informada e consciente, seja buscando segui-las ou não. :) Sintam-se a vontade para conversar conosco. Ficaremos muito felizes.

Beijos e bons sonhos! Hehehe ;)

*

Resenha: "Soluções para Noites sem Choro" de Elizabeth Pantley | O Nosso Blog

Imagem: capa do livro


Titulo: 
Soluções para noites sem choro
Autora: Elizabeth Pantley
Editora: 
M. Books do Brasil
Data: 2003
Páginas:
185
Faixa de preço: entre R$ 40,00 e R$ 55,00

4 ideias sobre “Resenha: “Soluções para noites sem choro” de Elizabeth Pantley

  1. Mariana Estevo

    Adorei. Quero ler agora o livro. 10 dias depois da leitura a gente conversa de novo, hehe. Mais uma vez, sucesso na empreitada! Bjs de boas noites para todos os babies e mamães

    Responder
    1. Carol Neves Autor do post

      Issooo, Mari! Eu TIVE que fazer algo quando Henrique começou a acordar a cada 40 minutos. Hoje, nem parece que esse serzinho que dorme 12 horas seguidas já fez aquilo um dia. :P Hehehe
      Mas depois vem contar sua experiência mesmo! Ia ser super legal!
      Boa sorte!!! ;)

      Responder
  2. Monike

    Carol adorei seu texto! Principalmente a parte que para nossos pais e tios os filhos sempre dormiram bem, comeram bem, nunca fizeram birras…e assim vai.
    Parabéns!
    Beijoo

    Responder
    1. Carol Neves Autor do post

      E não é verdade? Eu acredito fortemente que elas é que não lembram mais de nada! Assim como o parto: só ficam as lembranças boas. As dores e os dessabores se dissolvem no tempo. E ainda bem, né? Hehehe Se não a gente parava no primeiro. Hehehehe
      Beijão e obrigada pelo carinho!

      Responder

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *