Beto Carrero World e Hopi Hari com criança pequena

Sempre tive dúvida se valia mesmo a pena ir a um grande parque de atrações com o meu filho de 3 anos e, ao postar fotos da minha recente viagem ao Hopi Hari na rede social , pude perceber que esta é uma questão de várias famílias. Como eu fui aos dois maiores parques temáticos do Brasil (Beto Carrero WorldHopi Hari) com as minhas crianças recentemente, vou fazer um relato dessas experiências e, quem sabe, ajudar você a se decidir se vale a pena ou não.

É importante ressaltar que houve duas diferenças básicas nas experiências: a idade do meu filho e a época do ano em que o parque foi visitado. E isso fez muita diferença!

Beto Carrero World com criança pequena | O Nosso BlogFomos ao Beto Carrero World em janeiro, época de alta temporada, parque super cheio e o calor que judia das crianças e adultos. E nesta época meu filho estava com 3 anos e 5 meses e a altura não chegava aos 1,05m (pode ver a figurinha aí na foto). Sim, ele se divertiu, mas eu saí moída e com a impressão de que não fomos em quase nenhuma das atrações. Por exemplo, o Crazy River que é uma atração super legal e que o meu filho poderia ir: ficamos uns 40 minutos na fila para chegar na placa que dizia “a partir deste ponto terá mais 2 horas de espera”. Com uma criança de 3 anos e outra de 1 ano isso fica inviável. Mas meu filho saiu impressionado com tudo e com um novo herói: o Beto Carrero!

Hopi Hari com criança pequena | O Nosso BlogO Hopi Hari foi visitado nas férias de julho, durante a semana, meu filho já tinha 3 anos e 11 meses e estava um pouquinho mais alto (mas ainda não alcançara os 1,10m). Estava uma temperatura agradável e o parque não estava cheio. Mas o revés de ir fora da alta temporada é que havia várias atrações fechadas para manutenção (várias mesmo, umas 10!). Mas a área do Pernalonga e sua Turma estava praticamente inteira funcionando e é nesta área que as atrações para crianças pequenas se concentram! As crianças podem ir sozinhas na maioria dos brinquedos e alguns podem se sentir muito bem com esta independência. Ao final do dia pude perceber que meu filho foi em muitos brinquedos e em algum deles mais de uma vez.

Uma observação, você deve ter percebido que eu mencionei a altura do meu filho e foi por uma boa razão: a definição se a criança pode ou não entrar numa atração é pela altura e não pela idade. E isso é válido para os dois parques. No Hopi Hari, crianças com menos de 1 metro nem pagam entrada. A entrada grátis no Beto Carrero World é para crianças de até 3 anos.

Falando em preços, compre o seu ingresso antecipadamente online (Hopi Hari aqui e Beto Carrero aqui) porque sai mais barato do que comprar na hora. Esses ingressos online não são para um dia específico, eles são válidos por 1 dia dentro de um período de tempo. Por isso não precisa se preocupar em perder o dinheiro do ingresso caso não dê para viajar no dia planejado. Só fique de olho na validade dele, tá? Também vale a pena fazer uma pesquisa na internet se não está rolando nenhuma promoção nesses sites de compra coletiva (uma amiga comprou e deu certo pelo Peixe Urbano).

Ah, e lembre-se que o Beto Carrero World clama ser o maior parque temático da América Latina e isso gera uma consequência: as suas caminhadas entre as atrações serão mais longas do que no Hopi Hari, que é um parque mais compacto e por isso eu o elegeria como o menos cansativo.

Estacionamento: O preço é um pouco salgado e você já paga a diária logo na entrada. No Beto Carrero você até possui algumas alternativas de estacionamento próximos, mas no Hopi Hari não tem mais nada por ali. O Hotel e o posto de conveniência da estrada não ficam assim tão perto e a caminhada seria por um local não muito seguro (sem calçada por exemplo).

Alimentação: O Beto Carrero World possui muitas opções de comidas e lanches, tanto no pavilhão de alimentação quanto em restaurantes temáticos espalhados pelo parque. O pavilhão parece uma grande praça de alimentação de shopping, onde cada restaurante/lanchonete parece ser gerida por diferentes proprietários. Fiquei muito satisfeita com a variedade oferecida. Por outro lado, toda a alimentação oferecida no Hopi Hari parece ser do próprio parque, com poucas alternativas mais “saudáveis” para compor um almoço. No Palácio da Liga da Justiça até tinha uma opção de massa, mas neste momento eu estava sozinha com o meu bebê no carrinho e foi impossível comprar o alimento (fila única, mesas lotadas e não conseguiria empurrar o carrinho e segurar a bandeja). Acabei comprando um cachorro quente em um dos quiosques externos, mas fiquei bem insatisfeita com o produto. A informação dada pelo site dos dois parques é que não é permitido a entrada com alimentos e bebidas trazidos de casa (a menos que haja receita médica).

Enfim, a minha opinião é que vale a pena sim levar seus filhos pequenos (a partir dos 3 anos) nos parques temáticos do Brasil desde que você more próximo a eles, e o seu deslocamento não seja superior a, por exemplo, uma viagem de carro de 3 horas. Viagens longas e de avião não compensariam o custo x benefício visto que eles não podem ir em todas as atrações do parque. Ah, e aconselho também a evitar a alta temporada e os meses mais quentes do ano! 

Boa diversão a todos! E espero comentários com as experiências de vocês!

 

Este post foi publicado em Comemorações, Férias em por .

Sobre Carol Neves

Mãe do Henrique e da Laura, psicóloga perinatal, consultora de amamentação e mestre em Psicologia. Transformada pela maternidade, acredita no poder de compartilhar e apoiar, e ser/estar consciente das nossas escolhas para ter uma vida com mais sentido, felicidade e prazer. Ama estar na cozinha e no ateliê nas horas livres.